A morte de James Brown

 

 

 

   Para os amantes do soul e do funk, o dia 25 de dezembro passará a ser lembrado não apenas pelo Natal, mas também pela morte de James Brown. O chefão do soul foi fulminado por um ataque cardíaco na cidade de Atlanta (Geórgia), aos 73 anos.

   Um dos maiores nomes da música americana no século 20, Brown é considerado o criador do funk, um desdobramento da soul music (e, que, por sua vez, geraria o rap). Ele influenciou muitos astros, como Michael Jackson (as coreografias dos Jackson Five eram quase imitações das suas), Prince e até David Bowie, além de nosso Tim Maia. I got you (I feel good), Papa's got a brand new bag e (I feel like being a) Sex machine foram alguns de seus sucessos.

   Nos anos 70, Brown instituiu um novo modo de dançar, deslizando pelo palco, rodopiando freneticamente e atirando-se ao chão para em seguida levantar-se de um salto – movimento que está na gênese do break, dança muito popular na década de 80. São famosas suas fotos com o rosto encharcado de suor. Energia, ritmo e sensualidade lhe valeram apelidos como Mr. Dynamite, Sex Machine e o mais conhecido, Godfather of Soul (chefão do soul).

   Mas sua importância vai além da música. Em uma época conturbada, quando os negros lutavam pelos direitos civis, ele compôs um hino dessa geração, Say it loud, I’m black and I’m proud (Diga alto, sou negro e me orgulho).

   Problemático, passou algumas temporadas na cadeia por motivos diversos como assalto, espancamento da esposa e envolvimento com álcool e drogas.

A carreira

   James Brown nasceu em 3 de maio de 1933 em Barnwell (Carolina do Sul). Pobre, aos quatro anos de idade foi entregue pelos pais a uma tia, dona de um bordel, que o criou. Aos 16 anos foi preso por assalto, e no reformatório conheceu um músico que mudou sua vida, Bobby Byrd, que tinha um grupo gospel. Depois de cumprir a pena, Brown ingressou na banda de Byrd, mais tarde convertida ao rhythm & blues, e à frente dela gravou seu primeiro sucesso, Please, Please, Please, em 56. Tornou-se então um astro da soul music, com outros hits como Try me e It’s a man’s man’s man’s world, até inventar o funk.

   Seu LP mais famoso, Live at The Apollo, foi gravado em 62. Em 80, participou do filme Os Irmãos Cara de Pau (The Blues Brothers).

 

 

O chefão do soul

 

 

 

  Assine a Blues'n'Jazz