Resenhas Anteriores:

Gaspo "Harmônica" & Oly Jr. : "Na capa da gaita"

Manifesto Blues: "Bluz'in"

Marcelo Watanable:  "Acoustic & Eletric"

Marcelo Watanable & Rio Preto All Stars: "Black River Blues"

Hubert Sumlin: "I'm the Back door Man"

John Primer: "All right"

Adrian Flores: "Blues from the deep south"

  Wayne Shorter: "Beyond the soud Barrier"

 

 

 Sinequanon - "Telescópio"

 (Independete)  

Por Helton Ribeiro

  

Lupa Santiago (guitarra), Vitor Alcântara (sax), Guto Brambilla (contrabaixo) e Carlos Ezequiel (bateria) formam um excelente quarteto paulista de jazz contemporâneo. Seu segundo CD tem virtuosismo e pulsação nas medidas certas, como em Noves fora e Macro cópia. E os músicos souberam fazer a lição de casa: a faixa-título revela influência de John Coltrane;  Dinastia Mingus recorre ao estilo desse outro mestre (não custa lembrar que um de seus discos mais famosos é Mingus Dinasty), e Ornettology homenageia dois gênios do sax alto, Charlie Parker (que imortalizou Ornithology) e Ornette Coleman, que inspirou o tema do quarteto. Por sinal, tiradas bem-humoradas como a desse título são recorrentes. Cadê os caras? é uma brincadeira com o baixista, como se os outros tivessem sumido e ele resolvesse, então, fazer o seu número solo. Outra pegadinha é a citação do tema da Pantera Cor-de-rosa por Vitor em Dinastia Mingus.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  Assine a Blues'n'Jazz