Resenhas Anteriores:

Gaspo "Harmônica" & Oly Jr. : "Na capa da gaita"

Manifesto Blues: "Bluz'in"

Marcelo Watanable:  "Acoustic & Eletric"

Marcelo Watanable & Rio Preto All Stars: "Black River Blues"

Hubert Sumlin: "I'm the Back door Man"

John Primer: "All right"

Adrian Flores: "Blues from the deep south"

  Wayne Shorter: "Beyond the soud Barrier"

 

 

  Irmandade do Blues - "Good Feelings"

  (Eldorado)  

Por Helton Ribeiro

  

Para quem está se iniciando no blues agora, um breve histórico: nos anos 90 ele estava em alta no Brasil – gravadoras de porte médio como a Eldorado tinham vários artistas no cast; jornais davam matérias de página inteira sobre o movimento; havia o Nescafé & Blues, um dos maiores festivais de música do país. E a Irmandade do Blues era uma das bandas mais cultuadas em São Paulo. O CD Veneno foi um marco, com seu blues-rock pesado e psicodélico. Ultimamente, a banda passou a fazer raros shows, e seus integrantes seguiram carreiras paralelas. Vasco Faé (gaita, guitarra e voz) passou pelo Blues Etílicos; Edu Gomes (guitarra) toca vez por outra com André Christovam; Sílvio Alemão (baixo) agora produz festivais pelo país, e Fernando Lóia (bateria) montou uma bem-sucedida banda de rock. Finalmente o grupo (acrescido do convidado Adriano Grineberg, ao piano e órgão) decidiu voltar ao estúdio e lançar seu segundo CD, tão bom quanto o primeiro. Mantendo a forte personalidade do grupo, há de tudo um pouco: um bonito coro baseado nas work songs (Looking above the cotton fields); a parede sonora formada por gaita e guitarras (Line’m, de Leadbelly); blues psicodélico (When I be back e Quiet ways); rock ballad (Good feelings); clássicos de Big Bill Broonzy (Southbound train), Janis Joplin (Mercedes Benz) e Dave Mason, do Traffic (Feeling alright); uma faixa que, curiosamente, lembra Rita Lee & Tutti Frutti na fase áurea de Entradas e Bandeiras (Fundo do poço) e até um funk jazz (Nothing but a party). Junte-se a essa Irmandade!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  Assine a Blues'n'Jazz