Resenhas Anteriores:

Gaspo "Harmônica" & Oly Jr. : "Na capa da gaita"

Manifesto Blues: "Bluz'in"

Marcelo Watanable:  "Acoustic & Eletric"

Marcelo Watanable & Rio Preto All Stars: "Black River Blues"

Hubert Sumlin: "I'm the Back door Man"

John Primer: "All right"

Adrian Flores: "Blues from the deep south"

  Wayne Shorter: "Beyond the soud Barrier"

 

 

  SONNY ROLLINS - "Without a Song – The 9/11 Concert"

  (Universal)  

Por Helton Ribeiro

Quando as Torres Gêmeas de Nova York foram destruídas pelo ataque terrorista, o titã do saxofone estava há seis quadras de distância. Ele foi ver os escombros e ficou muito abalado. Quase cancelou o show marcado para dali a quatro dias em Boston, de onde partiram os aviões que atingiram os prédios. Mas acabou mantendo e gravando a apresentação, que adquiriu um caráter simbólico de esperança e reflexão (“Talvez a música possa ajudar. Eu não sei, mas temos que tentar algo”, diz em determinado momento). Nesse contexto, os títulos de alguns standards parecem mudar de sentido, expressando a perplexidade e o desalento geral: Without a song (Sem uma canção), Where or when (Onde ou quando), Why was I born? (Por que nasci?). Aos 71 anos, ele continua sendo um dos solistas mais inventivos do jazz, como atesta na introdução solo de Why was I born?. No sexteto com trombone e percussão destacam-se Stephen Scott (piano) e Bob Cranshaw (baixo elétrico).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  Assine a Blues'n'Jazz