Resenhas Anteriores:

Gaspo "Harmônica" & Oly Jr. : "Na capa da gaita"

Manifesto Blues: "Bluz'in"

Marcelo Watanable:  "Acoustic & Eletric"

Marcelo Watanable & Rio Preto All Stars: "Black River Blues"

Hubert Sumlin: "I'm the Back door Man"

John Primer: "All right"

Adrian Flores: "Blues from the deep south"

  Wayne Shorter: "Beyond the soud Barrier"

 

 

 SINEQUANON – HORIZONTE ARTIFICAL MC4+ – COLAGENS RAPAZES DO TRIO – RAPAZES DO TRIO BOB KAUFMAN 5TET WORLDS TOGETHER BOB WYATT, LUPA SANTIAGO E MARCOS PAIVA – REGRA DE TRÊS

(Independente)

Por Helton Ribeiro

 

 

   Há muito em comum entre os cinco CDs. O guitarrista Lupa Santiago participa de quatro, e o baixista Guto Brambilla, de três. Os três primeiros grupos fazem parte de uma cooperativa chamada SP Vanguarda Instrumental, dedicada a divulgar o jazz contemporâneo produzido na capital paulista.

   O Sinequanon é o grupo mais antigo, e Horizonte Artificial é seu quarto CD. Santiago, Brambilla, Vítor Alcântara (sax) e Carlos Ezequiel (bateria) mantêm a alta qualidade, a execução vigorosa e a riqueza harmônica que são suas marcas registradas. Dessa vez, o CD traz uma curiosa inovação, chamada de overdub coletivo, na qual os músicos gravam uma faixa e depois improvisam sobre ela, todos ao mesmo tempo. O resultado é como se houvesse oito músicos tocando. Há ainda uma faixa-bônus escondida, e a participação do trompetista Daniel D’Alcântara em três músicas.

   A sigla MC4+ refere-se ao quarteto do saxofonista Marcelo Coelho (que é basicamente o Sinequanon com ele no lugar de Vítor Alcântara) e dois convidados, os trombonistas Paulo Malheiros e Vincent Gardner. O último é integrante de dois dos grupos mais renomados da atualidade, a big band de Maria Schneider e a Lincoln Center Jazz Orchestra, dirigida por Wynton Marsalis. O CD é bastante experimental, inspirado nas obras do mestre da colagem Tide Hellmeister e do escritor Gonçalves Dias. Tons modais e polirritmias são alguns recursos que Coelho utiliza em suas colagens sonoras.

   Os Rapazes do Trio diferenciam-se pela influência de música brasileira e um pouco de latinidade (Vira latin). Por isso, eles definem seu estilo como música instrumental contemporânea, em alusão ao chamado instrumental brasileiro. Os rapazes são Brambilla, Walter Nery (guitarra) e Fernando Baggio (bateria).

   Worlds Together reúne três americanos (o baterista Bob Kaufman e os saxofonistas Bill Pierce e Jerry Bergonzi, ambos ao tenor) e dois brasileiros, Lupa e Sizão Machado (baixo). Os músicos têm sólidos currículos: Kaufman já tocou com Mike Stern; Pierce foi colega de Wynton Marsalis nos Jazz Messengers de Art Blakey, e Bergonzi integrou a banda de Dave Brubeck. Vigoroso e polirrítmico, o baterista impulsiona o grupo em Mr. MB e concentra as atenções em Beak. Os saxofonistas contrastam seus estilos em Think did, The last punks e Nilny – Pierce, fiel ao hard bop; Bergonzi, seguidor de John Coltrane.

   Regra de Três tem outro americano, mas que mora no Brasil há vinte anos, o baterista Bob Wyatt. Ele integrou a banda do trompetista Maynard Ferguson e, aqui, toca na big band SoundScape e no trio do maestro Nelson Ayres. Pulsante, ele e o baixista Marcos Paiva (também da SoundScape) fazem a cama para os solos de Lupa Santiago.

 

 

-----------------------------------------------

TEXTO PRODUZIDO EM 20/12/08

 

 

 

 

 

 

  Assine a Blues'n'Jazz